Carros elétricos e híbridos serão a nova “onda” em 2019

Desde há vários anos as principais montadoras mundiais vêm trabalhando na criação e construção de veículos elétricos ou híbridos. Muitos desses modelos já estão nas ruas, inclusive do Brasil, mas seus preços ainda são inacessíveis para boa parcela da população. Contudo, isso não será assim por muito tempo.

Carros
1 ano atrás
Carros elétricos e híbridos serão a nova “onda” em 2019

Muitos modelos já estão disponíveis no Brasil

Muita gente desconhece, mas já são muitos os veículos elétricos ou ao menos híbridos disponíveis no Brasil. Os preços ainda não altos, o mais barato deles custa mais de 120 mil reais, mas já é mais barato de que no passado.

Hoje um carro popular em sua versão de entrada passa dos 40 mil reais, ou seja, precisaria do valor de três carros populares para um híbrido. A desproporção já foi maior, bem maior.

A seguir vamos apresentar alguns do modelos disponíveis, com suas principais características e os valores praticados, embora possam sofrer variação a qualquer momento.

Toyota Prius – R$ 126.600

O mais conhecido de todos esses modelos provavelmente é o Toyota Prius. O modelo chegou ao Brasil em 2013 e tem feito bastante sucesso entre aqueles que querem economizar em combustível.

O Prius não é totalmente elétrico, ele trabalha com a união do motor 1.8 a gasolina, cuja potência é de 98 cv e 14,2 kgf.m de torque, e o motor elétrico de 72 cv e 16 kgf.m. Essa combinação faz dele o veículo mais econômico no mercado brasileiro. Seu consumo, segundo dados oficiais, é de 18,9 km/l na cidade e 17 km/l na estrada. Mas proprietários afirmam que ele pode fazer incríveis 30 km/l na prática.

Lexus CT200h – R$ 135.750

Depois do Prius o mais “barato” é o Lexus CT200h. Como o anterior, ele também trabalha com dois motores, mas sua configuração é um pouco mais potente do lado elétrico: 1.8 de 99 cv de potência e torque máximo de 14,5 kgf.m, e o motor elétrico de 82 cv de potência e 21 kgf.m de torque. O consumo médio é de 15,7 km/l na cidade e 14,2 km/l na estrada, segundo o Inmetro.

Renault Zoe – R$ 149.900

Em seguida está uma das grandes novidades do mercado: Renault Zoe. Esse sim é totalmente elétrico – portanto o mais barato em sua categoria – e com ZERO emissão de poluentes. Muito embora não seja tão potente quanto os outros dois híbridos que vimos acima.

O motor é capaz de gerar 92 cv de potência e 220 Nm de torque. Sua autonomia é de 300 km, e com a bateria nos 100% ele pode fazer de 0 a 50 km/h em apenas 4 segundos. Isso tudo sem nunca mais precisar ir ao posto de combustível, basta ligar na tomada e pronto.

Chevrolet Bolt – R$ 175.000

Mais um modelo completamente elétrico, e novidade no mercado brasileiro, é o Chevrolet Bolt, com motor elétrico de 202 cv de potência e 36,7 kgf.m de torque máximo, muita potência para um motor exclusivamente elétrico. Ele é capaz de alcançar de 0 a 100 km/h em apenas 7 segundos. Suas baterias são de íon de lítio de 60 kWh que podem oferecer 385 km de autonomia.

LEAF da Nissan – R$ 178.400

Logo depois, com preço quase igual ao do Chevrolet Bolt está o Nissan LEAF, também completamente elétrico, que tem chamado a atenção dos brasileiros, embora sua motorização não seja tão boa quanto a do Bolt.

O LEAF conta com um motor de 149 cv de potência e 32,6 kgf.m de torque, cuja capacidade das baterias dão a ele 241 km de autonomia. Mas vale ressaltar que com uma carga de 40 minutos a bateria chega aos 80%, ou seja, mais de 190 km de autonomia. A Nissan dá 3 anos de garantia para o veículo e 8 anos nas baterias.

mas porque com motor menos potente ele é mais caro? Simples, a tecnologia empregada é superior ao do Chevrolet. O LEAF conta com uma tecnologia inovadora, a do E-Pedal, e ainda a Câmera 360o.

O E-Pedal é um sistema que utiliza apenas um pedal para acelerar e frear. Ao pisar no pedal o veículo acelera e ao soltar ele desacelera e freia. Além disso, a frenagem é regenerativa, ela recarrega a bateria.

Ford Fusion Hybrid – R$ 182.900

Subindo na escala de preços, o próximo colocado é o Ford Fusion, que está equipado com motorização híbrida, unindo o motor Atkinson 2.0 de 140 cv de potência, com o motor elétrico capaz de gerar até 50 cv de potência. Com essa configuração o consumo de combustível (gasolina) é de 15,1 km/l na cidade e 16,8 km/l na estrada.

O preço mais elevado que os anteriores se justifica porque a versão híbrida do modelo conta com os itens de série da versão top de linha Titanium, com controle de cruzeiro adaptativo e a central multimídia Sync 3, por exemplo.

Porsche Cayenne Hybrid – R$ 430.000

A partir daqui já estão os grandes modelos, muito mais caros que os anteriores, mas não por serem híbridos, mas sim porque as suas versões “convencionais” já são mais caras. O primeiro deles é o Porsche Cayenne Hybrid que conta com motor V6 sobrealimentado, com 333 cv de potência e torque máximo de 60,2 kgf.m e outros elétrico de 95 cv de potência.

A grande sacada da Porsche nesse casso é que os motores podem trabalhar em conjunto ou de forma independente. Então é possível manter apenas o motor elétrico em funcionamento enquanto sua bateria tiver carga de energia, e só ativar o motor a combustão quando for exigir mais do veículo.

Porsche Panamera Hybrid – R$ 554.000

Ainda dentro da marca alemã tem o modelo Panamera Hybrid que conta com o mesmo recursos de utilizar os motores de modo independente. Mas neste caso a potência é ainda maior.

O modelo está equipado com o 2.9 V6 biturbo de 326 cv e outro elétrico de 136 cv de potência. Juntos acumulam 462 cv e um torque máximo de 71,4 kgf.m a partir de 1.100 rpm. A autonomia do motor elétrico quando está trabalhando sozinho é de 50 km.

BMW i8 – R$ 799.950

Um dos modelos mais caros nessa categoria e elétricos e híbridos é o BMW i8. Ele conta com o motor 1.5 turbo de 3 cilindros, com 231 cv de potência e torque máximo de 32,6 kgf.m, enquanto o motor elétrico oferece 131 cv de potência e 25,5 kgf.m de torque.

Também pode fazer funcionar os motores de forma autônoma, mas sua autonomia no modo elétrico é bem menor que os dois anteriores, apenas 32 km. Mas isso só se deve ao seu DNA esportivo que consome mais energia, sendo capaz de fazer – apenas com o motor elétrico – de 0 a 100 km/h em 4,4 segundos.

Incentivo fiscal poderia ser maior no Brasil

Os modelos elétricos recebem incentivos fiscais em quase todos os países do mundo, mas no Brasil eles não são tão bem considerados, embora existam alguns incentivos. Dependendo da potência do motor a combustão esse incentivo varia entre 7% e 0%, enquanto os modelos convencionais têm 35%. Mas isso ainda não é suficiente, pois os valores são altos, basta pensar no IPVA que é calculado com base no preço do veículo.

Velocidade.blog.br

O Velocidade.Blog.Br é um espaço voltado para quem ama as máquinas que nos fazem companhia tanto na rotina do dia a dia quanto na diversão do final de semana.

Vamos Bater um Papo?